novafrica@novasbe.pt

NOVAFRICA Blog

Melhorar os serviços públicos com o apoio das pessoas

A melhoria dos serviços na educação e na saúde em África são fundamentais para o desenvolvimento económico do continente. Como eles são bens públicos, o estado tem sido e será absolutamente central para esses esforços. O apoio ao desenvolvimento de doadores internacionais permitiu a criação e expansão de escolas e centros médicos em todo o continente africano. No entanto, os avanços foram principalmente em termos de infra-estrutura física. Por outras palavras: cimento.

Mas o cimento sozinho pode realmente melhorar os indicadores de educação e saúde em África?

A resposta é provavelmente não. Os sistemas escolares e a prestação da saúde funcional e eficiente também requerem (i) funcionários bem preparados e motivados, e (ii) populações informadas e cooperantes. Ambos os requisitos não têm nada a ver com o cimento e estão mais relacionados a algo mais “invisível”.

A preparação e remuneração dos professores, agentes educacionais em geral, médicos e enfermeiros já foi um desafio antigo. As limitações do ensino superior em África são próprias de um produto de indicadores deficientes na educação básica e na saúde desses países. Em suma, enfrentamos um círculo vicioso de pobreza, que tende a permanecer.

Só podemos tentar melhorar a motivação e os incentivos dos agentes provadores na educação e na saúde. E só podemos tentar aumentar a informação e as capacidades dos usuários. Este tem sido o foco de muitas iniciativas recentes para apoiar o desenvolvimento, com forte apoio do Banco Mundial. Na verdade, é possível melhorar simultaneamente a motivação intrínseca dos professores e dos enfermeiros e os níveis de informação dos cuidadores e pacientes. E ambos podem ter um impacto considerável no produto final: a quantidade e a qualidade da prestação de serviços na educação e na saúde.

O Desenvolvimento Baseado na Comunidade

Tecnicamente, essas iniciativas inovadoras enquadram-se na ideia do desenvolvimento orientado pela comunidade. A essência do conceito é a colocação da iniciativa comunitária e a pressão para a mudança de baixo para cima.

Na prática, essas iniciativas, muitas vezes, materializam-se através dos questionários de avaliação comunitária (“Community Score-Cards”), o QAC. O processo do QAC é normalmente iniciado através da audição dos usuários sobre a qualidade desse serviço. Esta consulta geralmente toma a forma de uma pesquisa populacional. Em seguida, os resultados da investigação são tornados públicos em reuniões comunitárias. Em cada comunidade, os resultados da escola ou da clínica nesta comunidade são explicitamente comparados com os de outras comunidades. Os planos de ação para abordar as lacunas dos serviços são delineados nessas reuniões em cooperação com os prestadores de serviços. Estes planos de ação são revisados em reuniões subsequentes com alta frequência (pelo menos mensalmente).

O exemplo de Uganda

Vamos ver os resultados já obtidos. No Uganda, o Banco Mundial apoiou essas iniciativas em postagens médicas. O procedimento foi conforme descrito acima. Uma avaliação rigorosa do impacto do QAC que também foi implementada. Esta revisão comparou as comunidades onde o QAC foi conduzido com comunidades de controlo (como o primeiro, mas sem QAC). Esta comparação foi feita apenas um ano após o início do QAC, ou seja, um ano após a submissão do questionário à população, ou seja, com apenas um ano de reuniões comunitárias focadas na melhoria da cirurgia local.

Um ano de QAC, nas comunidades do Uganda a mortalidade dos recém-nascidos diminuiram 3 pontos percentuais e a mortalidade de menores de 5 anos diminuiram 5 pontos percentuais. Aumentou também a proporção de peso para a idade, um indicador primário da nutrição. Além desses fatos impressionantes sobre a saúde das populações afetadas pelo programa, descobriu-se que o QAC também aumentou a quantidade e a qualidade da provisão de serviços de saúde, por exemplo, nas áreas de imunização e planejamento familiar. Finalmente, a satisfação dos usuários do serviço também foi melhorada.

Com base nesses resultados, concluímos que a pressão da população proporcionou um forte incentivo para melhorar a entrega de agentes locais de saúde e que a informação especializada aprovada em reuniões comunitárias fortaleceu as populações de cuidados de saúde. Sem cimento. E muito mais barato do que o cimento.

E Angola? É esta uma boa ideia implementar em Angola? O cimento já é avançado. A formação e a implantação de professores e enfermeiros também. Talvez seja hora de pedir um apoio direto à população: quem pode estar mais interessado na educação e  na saúde no país?

 

Escrito por Pedro C. Vicente, Diretor Científico do Centro NOVAFRICA e Professor Associado de Economia na Nova School of Business and Economics

Deixar uma Resposta