novafrica@novasbe.pt

ENDLESS – My 2017 Summer Research Internship Experience

A primeira palavra que vem à minha cabeça sempre que abro meus olhos nesta terra. Tudo é GRANDE: a Natureza, os relacionamentos, a própria terra. Como todos os dias fossem o último dia, ou como todos os dias fossem o início da vida. Assim, o NOVAFRICA representa para mim o primeiro momento de mudança de vida (de muitos, tenho certeza). Foi através da aplicação a este projeto de pesquisa de campo que visa encontrar maneiras de quebrar a escassez de Recursos Naturais que eu realmente encontrei imerso na realidade e no contexto de outra pessoa. Eu poderia ler muitos livros até eu ter viajado para Moçambique, mas a melhor aprendizagem é viver nos sapatos de outras pessoas. Em resumo, penso que Moçambique precisa e merece as condições humanas que hoje, infelizmente, carecem na saúde, na educação e, portanto, uma sociedade civil mais forte para o seu desenvolvimento, mas que tem muito para ensinar ao nosso ritmo acelerado.
IMG_5673

Tudo aqui parece falar, sem fazer barulho. As “mamãs” andam em linha com coloridas “capulanas” e lenços na cabeça e carregam algo muito pesado na maioria das vezes. Essas mulheres são absolutamente elegantes e fortes. Elas são poderosas. Elas são seguidas por uma linha de crianças pequenas, com as suas pernas pequenas independentes e olhos abertos. Testemunhar que alguém rasteja era raro para mim. Eu vi em vez disso pequenas pessoas caminhando como o mundo fosse delas (o que é porque o mundo pertence a todos nós), mas sem nunca esquecer os seus pais. Parece-me que esta maneira de se relacionar entre si é perfeita: independência e força sem nunca deixar as pessoas que nos deram tudo.

A equipa de campo e eu chegamos todos os dias a novas aldeias no nosso caminhão branco de apoio aberto. Eu tento sempre andar na parte de trás do carro para que eu possa sentir a força desta terra, o vento no meu rosto, o cheiro da vida e as ondas das pessoas que estão nas ruas. Minha equipa é constituída por: Ir. Mario, Ismail, Estado, Anifa, Iussufu, Abdala e Anselmo. Todos inspiraram pessoas que me mostraram a verdadeira cultura moçambicana fazendo-me sentir parte de suas vidas, até hoje. Passei os meus dias com eles e compartilhei as minhas refeições com eles: costumavam comprar galinhas vivas e cozinhá-las em uma pequena cozinheira nos quintais das casas alugadas no campo. É absolutamente incrível como nós, os humanos, podemos nos adaptar a tudo e entender que, na realidade, a maioria das coisas que nos cercam e que pensamos serem necessidades, na verdade são apenas ruídos. Eu achei-me completamente acostumado a uma rotina de hábitos básicos e meu coração estava cheio pois nunca tinha sentido uma sensação de Paz em momentos anteriores.

As pessoas nessas áreas rurais são o que todos seríamos se não tivéssemos a forma de nossa civilização. Este é o começo da raça humana e é impossível não senti-la. As pessoas riem com os seus corpos inteiros, têm olhares estranhos e olham com curiosidade as coisas estranhas. O fato das crianças se aproximaram gradualmente durante o dia, acabando coladas às minhas pernas, ensinou-me que os seres humanos podem criar confiança entre si em poucas palavras e que é nosso dever é não arruinar a confiança que alguém coloca em nós, especialmente aqueles que são inocentes.

O projeto era, uma parte essencial de mim para ser tão feliz porque acreditei em sua seriedade e testemunhei a motivação dos seus pesquisadores que realmente queriam entender as aspirações e expectativas das pessoas que viviam em uma área tão pobre que foi descoberta para ter valiosos recursos naturais. O fato de o NOVAFRICA ter sido extremamente envolvido com a comunidade moçambicana da área, tendo principalmente moçambicanos nas suas equipas de campo e estabelecendo um estreito contato com a sociedade civil, torna este projeto não apenas credível, mas extremamente valioso para o futuro. Adicionando, foi absolutamente fascinante não só testemunhar entrevistas, mas também jogos comportamentais nessas áreas rurais, em vez de laboratórios de universidades. Ao observar a reação das pessoas que vivem nas aldeias quando os jogos são explicados, estamos realmente a testemunhar o comportamento humano na sua forma mais pura. Só espero que pelas várias iniciativas do NOVAFRICA (fornecimento de informações sobre recursos naturais às aldeias de tratamento, a oportunidade para as pessoas escreverem aos administradores locais e exigir como devem usar o dinheiro proveniente de recursos naturais, entre outros) Moçambique persegue o desenvolvimento que merece e uma democracia fortalecida que ele precisa. Espero que o trabalho de várias pessoas de bom coração e, o mais importante, bem preparado e profissional, ajude este país em desenvolvimento.

Essa experiência mudou-me e fez- me crescer, pois agora entendo que todos somos apenas parte de um círculo maior e que tudo está conectado e, portanto, é nosso dever olhar para os outros e poder lutar por os seus direitos, bem como aprender algumas lições valiosas. Cheguei com um coração cheio. Agora sei com certeza que quero viver a minha vida para mudar o mundo para o que deveria ser, estou apenas a tentar descobrir as melhores maneiras de fazê-lo.

IMG_5087

Escrito por Maria Benedita Carvalho, estudante da Nova SBE e em parceria com NOVAFRICA em Moçambique para o Estágio de Pesquisa – Verão de 2017.

Deixar uma Resposta