novafrica@novasbe.pt

A Europa é fixe!

A Grã-Bretanha vota para deixar a União Europeia. Coletes amarelos dão cor e inquietação a França e outros países europeus. Diversos governos europeus são eleitos com mandatos para expressarem o seu forte desacordo com os valores tradicionais europeus de solidariedade e proteção dos direitos humanos. Muitos afirmam que a Europa está numa espiral descendente e que as pessoas que vivem na Europa se tornarão progressivamente mais infelizes nas suas vidas.

E, no entanto, precisamos apenas atravessar o Mediterrâneo para encontrar uma perspectiva muito diferente. Os africanos ocidentais, em particular, estão dispostos a sacrificar suas vidas para chegar à Europa. Um estudo recente do Centro de Conhecimento NOVAFRICA, na Nova School of Business and Economics (Nova SBE), mostra que 90% dos jovens do sexo masculino na Gâmbia rural querem deixar o seu país – ainda que esperem que uma em cada duas pessoas que tentam chegar de forma irregular à Europa morra neste processo.

Porque é que estes jovens querem chegar a uma Europa tão terrível? A resposta mais óbvia é que eles enfrentam condições económicas desesperadas no seu quotidiano – mesmo quando vivem em áreas pacíficas não afetadas por conflitos. Apesar do recente progresso nas condições de educação e saúde, a maioria dos jovens nas áreas rurais da África Ocidental ainda vive com um dólar por dia. Nessas áreas, não há oportunidades de emprego além do trabalho na terra, usando a mesma tecnologia tradicional que os seus antepassados, este jovens enfrentam riscos severos de cheias e secas que periodicamente trazem situações de fome desde há séculos. Estes riscos aumentam com o aquecimento global e provavelmente criarão fluxos migratórios forçados em larga escala nas próximas décadas.

Neste contexto, é algo surpreendente que estas pessoas não tenham ainda migrado. E, de facto, aqueles que ficam para trás tendem a ser os mais pobres que são incapazes de sair porque a migração – mesmo que irregularmente através do mar – é cara: o custo médio de ser traficado da África Ocidental para a Itália é de 2000 dólares. Nesse sentido, apenas promover o desenvolvimento económico pode não ser a melhor política para limitar os fluxos migratórios irregulares – que podem até aumentar como resultado.

Talvez o facto mais marcante que o trabalho de campo na África Ocidental do Centro de Conhecimento NOVAFRICA da Nova SBE tenha documentado seja uma forte norma cultural entre jovens do sexo masculino que chega à Europa é “fixe”. Além dos ganhos económicos da migração, chegar à Europa é entendido como um indivíduo. sucesso – muitas vezes independentemente do status de migrante incerto e das condições vulneráveis ​​enfrentadas. Aqueles que voltam para casa, mesmo que tenham chegado com sucesso à Europa, são considerados fracassados ​​e estigmatizados. Por essa razão, os migrantes mal sucedidos costumam ficar na Europa ou na Líbia em circunstâncias dramáticas, em vez de voltar para suas aldeias natais.

O Fundo para o Asilo, a Migração e a Integração (FAMI) da União Europeia está a gastar mais de 3 mil milhões de euros na prevenção da migração irregular e no apoio a uma melhor integração dos imigrantes legais. Recentemente, o FAMI financiou várias campanhas sobre conscientização de risco de migração e campanhas que facilitam o retorno de migrantes legais para seus países de origem. No entanto, os efeitos dessas campanhas não foram avaliados. E é bem sabido que as políticas de desenvolvimento podem frequentemente ter consequências não intencionais. Neste caso, e de acordo com o trabalho do NOVAFRICA que mostrou que os potenciais migrantes tendem a superestimar o risco de morrer quando tentam chegar à Europa, pode ser que os números oficiais sobre os riscos de morrer a caminho da Europa aumentem migração irregular para a Europa.

O Centro de Conhecimento NOVAFRICA da Nova SBE foi premiado com o único projeto apoiado pelo AMIF que avaliará o impacto de diferentes intervenções políticas destinadas a mitigar a migração irregular da África Ocidental para a Europa. Estamos actualmente a trabalhar com 8000 jovens na Gâmbia, o país na África Ocidental com maior incidência de migração irregular para a Europa. Nossa avaliação de impacto ao acaso seguirá esses jovens nos próximos dois anos para medir o quão diferentes são as políticas eficazes como ferramentas para prevenir a migração irregular.

As diferentes políticas implementadas e avaliadas abrangem várias dimensões que podem impedir a migração irregular. Em primeiro lugar, uma campanha de sensibilização irá contrariar a “frieza” da Europa com informações factuais sobre a árdua jornada e as circunstâncias que os migrantes irregulares enfrentam na Europa – que as evidências existentes mostram que são também normalmente sobre-estimadas por potenciais migrantes.
A segunda intervenção a ser avaliada facilitará as alternativas de migração regional. Essa estratégia segue estudos anteriores em Bangladesh mostrando que as famílias camponesas nas áreas rurais frequentemente enfrentam a fome durante a época de escassez, antes da colheita, e ainda assim tendem a não procurar trabalho em áreas urbanas que são facilmente acessíveis por autocarro. Pagar uma passagem de autocarro de 7 dólares para essas famílias foi bem sucedido em aumentar a migração regional e diminuir a fome nas áreas rurais.

Uma política final a ser testada é a formação profissional. Grandes programas de treinamento foram financiados e implantados pela União Europeia na África Ocidental. Teoricamente, eles aumentam as habilidades e as possibilidades de trabalho dos migrantes em potencial, que podem então decidir ficar em seus países de origem porque acham mais fácil ganhar a vida. Ou pode, na verdade, promover a migração legal através da facilitação do acesso de migrantes em potencial às permissões de trabalho na Europa, por exemplo. De qualquer maneira, pareceria uma intervenção ideal na medida em que se forma de uma maneira positiva, ao invés de tentar impedir fluxos migratórios inevitáveis. Mas, é claro, efeitos não intencionais são possíveis, e uma avaliação rigorosa do impacto é necessária antes que a adoção em grande escala de qualquer uma dessas políticas seja feita.

Os governos locais e a União Europeia apoiam muito este trabalho, mas há muita incerteza quanto ao impacto das políticas de prevenção da migração irregular para a Europa. É necessário muito design de políticas criativas, experimentação e avaliação rigorosa do impacto antes de fazer declarações definitivas sobre como aproveitar ao máximo os inevitáveis ​​fluxos migratórios para a Europa “fixe”.

Referências
Bah, Tijan, and Catia Batista. 2018. Understanding the Willingness to Migrate Illegally: Evidence from a Lab in the Field Experiment, NOVAFRICA working Paper no. 1803.

Projectos de Investigação
1. Understanding Willingness to Migrate Illegally: Evidence from a Lab in the Field Experiment
2. Information Gaps and Irregular Migration to Europe

 

Escrito por Catia Batista, Diretora Científica do NOVAFRICA.

Publicado no Medium, Nova SBE.
Foto por UNHCR / Massimo Sestini (UNHCR / Massimo Sestini).